quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Novo olhar



dema

Meia vida e meia ao sabor da mediocridade,
no cismar cotidiano com a efemeridade:
_ renúncias recorrentes ao entusiasmo fácil,
tão comum nos pequenos sucessos.

A contraponto de um panteísmo absurdo,
causam descrédito no longevo credo de escol:
 - o enredo do mistério da vida no universo,
 - a presença divina no potencial da matéria,
 - a perfeição da natureza micro/macrocósmica,
 - a insignificância humana frente ao poder pleno/eterno,
 - a descrença nos mitos e outras criações da mente.

Num piscar de olhos, o insight:
 - a vida a sorrir do próprio destino,
 - o gargalhar pela existência,
 - o dar de ombros ao até quando.

_ Badalem os sinos!
_ Rufem os tambores!
_ Soltem rojões!
_ Um brinde ao novo olhar!


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

A tarde



dema

A tarde tem a cor da náusea
com pitadas verdes de alecrim.
Exala um sabor de riso amarelo
pós vômito de cólica renal.
O pensamento circula por labirintos cavernosos,
em busca da expressão de liberdade e conforto.
O sol segue escondido atrás de nuvens tenebrosas
e o amor verbaliza-se no canto triste dos pássaros.
É, talvez, a ressaca presente da escolha funesta
a prensar a alma com arrependimento,
tal se a vida tivesse sido abruptamente interrompida
na expulsão, por mãos próprias,
do almejado e próximo futuro.
Que venha a noite e,
quem sabe, 
um novo amanhã!