segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Mais, sempre mais



dema


Alma faminta, insatisfeita,
quer mais amor,
uma lembrança, quem sabe,
preencha lhe a ausência,
abrande a saudade,
derrame serenidade.

Alma humana, insaciável,
aspira conforto,
riqueza,
um gosto a mais,
tudo que apraz.

Semieterna, inquieta,
apega-se à  vida,
renega a morte,
sempre insurrecta,
lança-se à sorte.

Cada humano um semideus,
mundano e divino,
nobre e plebeu,
abjura o adeus.


quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Novo olhar



dema

Meia vida e meia ao sabor da mediocridade,
no cismar cotidiano com a efemeridade:
_ renúncias recorrentes ao entusiasmo fácil,
tão comum nos pequenos sucessos.

A contraponto de um panteísmo absurdo,
causam descrédito no longevo credo de escol:
 - o enredo do mistério da vida no universo,
 - a presença divina no potencial da matéria,
 - a perfeição da natureza micro/macrocósmica,
 - a insignificância humana frente ao poder pleno/eterno,
 - a descrença nos mitos e outras criações da mente.

Num piscar de olhos, o insight:
 - a vida a sorrir do próprio destino,
 - o gargalhar pela existência,
 - o dar de ombros ao até quando.

_ Badalem os sinos!
_ Rufem os tambores!
_ Soltem rojões!
_ Um brinde ao novo olhar!


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

A tarde



dema

A tarde tem a cor da náusea
com pitadas verdes de alecrim.
Exala um sabor de riso amarelo
pós vômito de cólica renal.
O pensamento circula por labirintos cavernosos,
em busca da expressão de liberdade e conforto.
O sol segue escondido atrás de nuvens tenebrosas
e o amor verbaliza-se no canto triste dos pássaros.
É, talvez, a ressaca presente da escolha funesta
a prensar a alma com arrependimento,
tal se a vida tivesse sido abruptamente interrompida
na expulsão, por mãos próprias,
do almejado e próximo futuro.
Que venha a noite e,
quem sabe, 
um novo amanhã!


terça-feira, 31 de julho de 2018

É fato



dema

De repente, da alta palmeira,
escorregou e caiu o pombo filhote.
Já grande e pesado,
mamãe nem pensou levantar o coitado
pelo cangote.
Ficou sem eira nem beira.
Tive um dó danado do bichinho.
Dei-lhe água, comida, fiz-lhe um ninho.
Inesperadamente, numa noite de breu,
acorreu um gato preto e o comeu.
_ Filho da puta!
Deixou-me apenas as penas
por herança e lembrança.
Se o pego, também o mato
e o capo,
ou atropelo.
Só não vou comê-lo.


terça-feira, 24 de julho de 2018

Direito e respeito



dema

Quando Deus criou o mundo,
viu que era necessário
um planeta bem fecundo,
pra tornar o ser humano
seu perene donatário,
portanto, seu soberano.

Deus fez gente cor de leite,
cor da noite e amarelada,
misturou-as por deleite,
gerando a miscigenada.
Quer aceite, quer rejeite,
toda gente é igualada.

O criador, todavia,
deu ao homem liberdade
pra fazer o que queria,
mas O amasse de verdade.
O livre arbítrio, porém,
fê-lo afastar-se do bem.

Arvorou-se em próprio deus,
confundiu ser com poder
e o que Deus a todos deu
foi a poucos pertencer.
Se há massacre, exploração,
problema da multidão!

Pouco importa a tez da pele,
preferência sexual,
se da elite, se da plebe,
com fé ou sem, não faz mal,
cada qual tem seu direito,
e o que falta é respeito.

Nasci pobre por herança,
não me dei por derrotado,
herdei também esperança
de construir meu quadrado.
E o que a todos eu desejo
é um quadrado com sobejo.

A dizer que Deus errou,
terá sido a liberdade
que ao ser humano integrou
como a maior qualidade.
Ser livre, bater no peito,
exige amor e respeito.



sábado, 14 de julho de 2018

Quadrilátero


dema


Quatro ângulos em 90°
se olham permanentemente.
Cada um com horizonte no lado oposto.
Os contrários não disputam entre si,
ao contrário, compartilham invisível hipotenusa.
Quiçá se atraem, pois se relacionam.
Amar? Creio que não.
Amor é relativo, mais e menos,
A hipotenusa faz-se exata.
Os cantos não se dividem,
Não se excluem.
Angulam a circunferência.
Amor: forma e desforma.
Quadrilátero: simplesmente forma.


DEMASILVA

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Indolência poética




dema

A tarde dorme.
Sujeito suspeito, hiberno.
Meu cão também.
Se de repente chega a noite,
acordamos para dormir novamente.

Assim, a vida passa.
Somos velhos peregrinos pelo mundo.
Até quando?
Sem problema,
sem fome.
Somos ninguém,
nem temos nome.

O ar parece tremer sobre nós
e à nossa frente.
É morno ou quente, depende.
_ Não insista, não me acorde!
Ouço Bach em moucos acordes.

No oeste, queimam o planeta.
_ Saltita logo, Saci perneta!
Lá em cima, desmatam
beira e miolo da mata.

A preguiça dorme no tronco.
Sequer espreguiça.

Há tanto fumo,
presumo inferno
não muito curto,
talvez eterno.

A chuva vem, devassa as cinzas.
Faz poeira, meleca.
E cá, sono de soneca em soneca.
Deus salve o mundo
para Maria e o Raimundo!

Zás...surrupiaram meu ananás.